Como gostei tanto do “Em Parte Incerta –
Gone Girl”, decidi comprei estes dois também. O “Objectos Cortantes” foi a
primeira obra da autora e depois seguiu-se “Lugares Escuros”. Não gostei tanto
como do último mas são ambos viciantes, pois conseguem agarrar-nos do principio
ao fim.

Como não poderia deixar de ser, o que me
prendeu mais, foram os “pobres” e os demónios de cada personagem. 
Ler Gillian Flynn foi uma aventura
e tanto no que toca a viajar pela malevolência que cada ser humano consegue
transportar consigo. Parecem não haver limites no quão retorcido alguém consegue
ser para prejudicar, magoar, até mesmo matar alguém. 



Classificação: 3/5

“Objectos Cortantes”           

Gostei bastante desta história.
Mesmo à Gillian Flynn, a história é retorcida e macabra. Todas as personagens
têm segredos e a personagem principal é a que tem mais fantasmas…A escrita é
novamente crua e nada maçadora. Acompanhamos três gerações de mulheres
danificadas. Camille, a sua mãe e ainda a sua meia-irmã, Amma, que aos treze
anos já se droga e tem relações sexuais como gente grande. A narrativa evolui
sempre com este trio como pano de fundo. 

Sinopse: Recém-chegada de um internamento breve num
hospital psiquiátrico, Camille Preaker tem um trabalho difícil entre mãos. O
jornal onde trabalha envia-a para a cidade onde foi criada com o intuito de
fazer a cobertura de um caso de homicídio de duas raparigas. 
Há anos que Camille mal fala com a mãe, um
mulher neurótica e hipocondríaca, e quase nem conhece a meia-irmã, uma bela
rapariga de treze anos que exerce um estranho fascínio sobre a cidade. Agora,
instalada no seu antigo quarto na mansão vitoriana da família, Camille dá por si
a identificar-se com as vítimas. As suas pistas não a conduzem a lado algum e
Camille vê-se obrigada a desvendar o quebra-cabeças psicológico do seu passado
para chegar ao cerne da história. Acossada pelos seus próprios fantasmas, terá
de confrontar o que lhe aconteceu anos antes se quiser sobreviver a este
regresso a casa.

“Lugares Escuros”

Em relação ao “Em Parte Incerta”
deixou-me um bocadinho desiludida. Vinha com uma expectativa enorme e não gostei
tanto. Claramente que as personagens continuam muito interessantes, distorcidas,
e nesta obra, o que salva a história são mesmo as ditas personagens, isto na
minha opinião. Enquanto o último livro descreve uma família de classe média,
toda estas história é sobre a típica família americana, white trash meets
rednecks. 
O filme foi fiel à obra: as personagens foram como imaginei e os
cenários também, embora um pouco mais limpos do que aquilo que é descrito no
livro; não sendo a higiene o forte da família.

Sinopse: Libby tinha sete anos quando a mãe e as
duas irmãs foram assassinadas no «Sacrifício a Satanás de Kinnakee, no Kansas».
Enquanto a família jazia agonizante, Libby fugiu da pequena casa da quinta onde
viviam. Sobreviveu e ficou célebre por testemunhar contra Ben, o irmão de quinze
anos, que acusou de ser o assassino. Passados vinte cinco anos, Ben encontra-se
na prisão e Libby vive com o pouco dinheiro de um fundo criado por pessoas
caridosas que há muito se esqueceram dela. 
O “Kill Club” é uma macabra sociedade
secreta obcecada por crimes extraordinários. Quando localizam Libby e lhe tentam
sacar os pormenores do crime (provas que esperam vir a libertar Ben), Libby
engendra um plano para lucrar com a sua história trágica.

6 thoughts on ““Objectos Cortantes” e “Lugares Escuros – Dark Places” de Gillian Flynn

  1. Vi o Dark Places (filme) e gostei (para o tipo de filme que é).
    O Objetos Cortantes parece bem interessante mas estou numa de ler coisas menos "dark". Agora ando a ler os Pilares da Terra, vamos ver se gosto.

  2. Não li nem a sinopse nem a tua opinião sobre os livros, porque prefiro partir para a leitura sem saber absolutamente nada (tanto quanto possível!), mas estão os dois há imenso tempo na minha lista de livros para ler… Pode ser que seja este ano que os vou ler!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *