Dormir acompanhado

Durante toda a minha vida adulta esta questão pairou sobre a minha cabeça: Dormir acompanhado: sim ou não?

Sempre me fez um bocado de confusão as pessoas que dormem com os “one night stands”. É estúpido, eu sei. Acabaram de ter sexo um com o outro. Acabaram de se comer. É intimo. Mas dormir e acordar com uma pessoa que não “conhecemos” e que pouco nos diz? No, not for me.

Sim, sou esquisita a esse ponto. Acho que o “dormir” é um dos supremos actos de intimidade (isso e os pés a tocarem-se no fim do sexo) e não gosto de o partilhar a não ser que “fique” alguma coisa. Detesto o “awkwardness” do dia seguinte e talvez por isso, tenha dormido com pouquíssimas pessoas da minha vida.

Talvez seja uma consequência directa de ser filha única, neta única e solteira inveterada. Gosto muito do meu espaço e especialmente da minha cama. Não sou de dormir em casa de amigas (fi-lo na adolescência porque era giro e fazia parte). Tirando a casa da minha avó e as viajos que faço (obviamente),só durmo em minha casa.

Independentemente da hora que seja, eu acabo sempre na minha cama.

8 thoughts on “Dormir acompanhado: sim ou não?

  1. Same here! Comigo a cama também é para dormir, quanto ao resto há mais sítios. No que toca a one night stands nunca tive, nunca consegui pinar com uma pessoa só porque sim… nesse aspecto sou um bocadinho retrógada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *