O nome da coisa

Por acaso dá-me a sensação que esta coisa já passou de moda porque há uns anos era normal dar-se nome à coisa. Coisa, aka, orgão genital masculino.

Nos dias de hoje já não oiço homens a chamarem nomes às suas pilas…coisa que quando era adolescente, era o pão nosso de cada dia.

Lembro-me de ter um namorado que chamava “Bernardo” ao dito cujo. Já tinha ouvido coisas como “Zezinho” ou “Zeca”, mas “Bernardo” era no mínimo, original. Nunca percebi porquê…

Havia um rapaz de minha turma que apelidava o seu de “Adamastador” e nós, miúdas, associámos essa alcunha a algo muito imponente. O que depois se veio a comprovar mais tarde que “não era bem assim” – palavras sábias de uma amiga.

Eu pessoalmente se com a idade que tenho estivesse com um homem que atribuísse um nome qualquer à pila, achava que algo de errado se estava a passar. No mínimo tinha o “complexo de Peter Pan”.

29 thoughts on “O nome da coisa

  1. Agora que pense nisso, não costuma ser introduzido… na conversa, por isso não lhe chamo nada.
    Só os nomes padrão, nada politicamente corretos.
    (Já te conhecia o blog há algum tempo, até pensei q não existisse mais :P)

    1. Era esquisito? Então e o chamar de pila não é no feminino? 😛 Mas tens razão, acho que era coisa para causar alguns constrangimentos em certos e determinados momentos.

  2. Deixa-me que te diga que em todas as minhas relações (é certo que não foram muitas) todos tinham nome. Todos! O último (presente)…não é bem um nome mas sim um adjectivo.
    Eu acho que é mais um truque para nos "encantar". Para eles é mais soft dizer: Beija-me o Manel do que beija-me a pila 🙂 Digo eu!

  3. Homem que se preze baptiza sempre o "gajo", e não partilha essa informação a não ser depois da ingestão de muito, muito álcool. Nunca ouviram falar do "T-rex", "John Thomas" ou "Chuck Norris"?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *